sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Fita Verde no Cabelo

"HAVIA UMA ALDEIA em algum lugar, nem maior nem menor, com velhos e velhas que velhavam, homens e mulheres que esperavam, meninos e meninas que nasciam e cresciam. Todos com juízo, suficientemente, menos uma menininha, a que por enquanto. Aquela um dia, saiu de lá, com uma fita verde inventada no cabelo.
Sua mãe mandara-a com um cesto e um pote, à avó, que a amava, a uma outra e quase igualzinha aldeia. Fita-Verde partiu, sobre logo, ela a linda, tudo era uma vez. O pote continuava doce em calda, e o cesto estava vazio, que para buscar franboesa.
Daí, que, indo no atravessar o bosque, viu só os lenhadores que por lá lenhavam, mas o lobo nenhum, desconhecido nem peludo. Pois os lenhadores tinham exterminado o lobo. Então, ela mesma era quem se dizia: “Vou à vovó com cesto e pote, e a fita verde no cabelo, o tanto que a mamãe me mandou.” A aldeia e a casa esperando-a acolá, depois daquele moinho, que a gente pensa que vê, e das horas, que a gente vê que não são.
E ela mesma resolveu escolher tomar este caminho de cá, louco e longo, e não o outro, encurtoso. Saiu, atrás de suas asas ligeiras, sua sombra, também vindo-lhe correndo em pós. Divertia-se com ver as avelãs do chão não voarem, com inalcançar essas borboletas nunca em buquê nem em botão, e com ignorar se cada uma em seu lugar as plebéinhas flores, princesinhas e incomuns, quando a gente tanto por elas passa. Vinha sobejamente. Demorou, para dar com a avó em casa, que assim lhe respondeu, quando ela toque, toque, bateu:
- Quem é?
- Sou eu... – Fita- Verde descansou a voz – Sou sua linda netinha, com cesto e pote, com fita verde no cabelo, que a mamãe me mandou.
Vai, a avó, difícil disse:
- Puxa i ferrolho de pau da porta, entra e abre. Deus te abençoe.
Fita-Verde assim fez, e entrou e olhou.
A avó estava na cama rebuçada e só. Devia, para falar agagado e fraco e rouco assim, de ter apanhado um defluxo. Dizendo:
- Depõe o pote e o cesto na arca, e vem para perto de mim, enquanto é tempo.
Mas agora Fita-Verde se assustava além de entristecer-se de ver que perdera sua grande fita verde no cabelo atada, e estava suada, com enorme fome de almoço. Ela perguntou:
- Vovozinha, que braços tão magros os seus, e que mãos tão tremenstes!
- É porque não vou poder nunca mais te abraçar, minha neta... – a avó murmurou.
- Vovozinha, mas que lábios tão arrocheados!
- É porque não vou nunca mais poder te beijar, minha neta...- a avó suspirou.
- Vovozinha, e que olhos tão fundos e parados, nesse rosto encovado e pálido?
- É porque já não te estou vendo, nunca mais, minha netinha... – avó ainda gemeu.
Fita-Verde mais se assustou, como se fosse ter juízo pela primeira vez...
Gritou:- Vovozinha, eu tenho medo do Lobo!
Mas a avó não estava mais lá, sendo que demasiado ausente, a não ser pelo frio, triste e tão repentino corpo".

(ROSA, Guimarães in Fita Verde no Cabelo)


Motivo do nome (do blog): "(...) Fita-Verde mais se assustou, como se fosse ter juízo pela primeira vez...Gritou: - Vovozinha, eu tenho medo do Lobo!" Com uma leitura cuidadosa e degustativa, apenas desse pequeno trecho que adoro, é possível perceber a força que tem essa última frase...nos últimos anos e nos últimos meses e dias, ela têm ecoado, volta e meia. Em momentos de solidão, me lembro da menina desesperada e assutada diante da morte, diante da morte da avó e repito baixinho "vovozinha, eu tenho medo do Lobo". Talvez esse lobo seja um ser camaleão...ora solidão, ora tristeza, ora maturidade. Medo de ficar sozinha, medo de ser triste, medo de amadurecer. Porque a solidão traz a certeza de que há momentos que só você mesmo pode te escutar e dar conselhos, só você pode ser seu amigo verdadeiro...isso dá medo. Porque a tristeza por vezes vem acompanhada de inércia. Isso dá medo. Porque a maturidade só acontece com aprendizado e dor. Lágrimas que semeiam o solo, diria uma amiga-irmã.

Pois então, quis criar um blog. Precisei de um nome. Olhei pra frente, vi um incenso de alecrim. Sorri, nome sonoro, lembra alegria. Mas não estava disponível...busquei então na memória, não mais na mesa de trabalho. Olhei pra dentro. Eis que me recordei desse conto, dessa frase, dessa menina, dessa simbologia da fita verde, tão significativa pra mim. Fita-verde sou eu, menina que vinha saltando por flores, que desconhecia a morte de algo velho. Morreu em mim a menina. Ficou a fita e o susto.


"E a menina, movida pelo susto e pelo espanto, como se fosse ter juízo pela primeira vez, grita: Vovozinha, eu tenho medo do Lobo!...Não era o lobo da história de Chapeuzinho Vermelho que Fita-Verde temia. Era a morte, o despertar para a vida, a chegada do juízo, a transição da infância para a adolescência.E, nesse momento, esteve, de fato, completamente sozinha, já que a avó não estava mais lá, sendo que demasiado ausente, frio, triste e tão repentino corpo. Em outras palavras, o processo de descoberta de si própria se completou no momento da morte da avó. Já não era mais Fita-Verde, era um ser no e do mundo" (Érica Antunes)

7 comentários:

Alessandra Ed disse...

Vcé magia..pura e linda...estou na estrada da vida aprendendo e vc ,com certeza, é parte dessa aprendizagem...bjkas carinhosas

Oficinão 2007 disse...

Adorei, lindo conto, fiquei sentindo cheiro de Incenso de alecrin, não era esse o primeiro nome do seu blog...? Beijos

Dersú... disse...

...é Fita Verde, pelo que li a fita se colore a cada dia...e vc acha difícil escrever poesia só porque a vive e é.

Colore-se Gleice
Gleice Color
not Kelly
cor de confete
de carnaval e circo
de arco-íris
prisma e luz.

;)

gleice disse...

Dersú! Acredita que só agora vi seu comentário?!!! rsrs é que faz tempo que não visito minhas postagens antigas...e também porque acredito fielmente que ninguém lê o blog..rs...adorei o poema, vc que fez?!

Beijo grande,

Gleice

Ivi disse...

Olá... estou fazendo meu artigo da pós graduação sobre o conto Chapeuzinho vermelho e fita verde no cabelo, e nesse último falando do tema morte que está presente na obra de guimarães rosa. Gostaria se possível algumas dicas.
Obrigda

biaa disse...

e oq a fita verde simboliza? Q perda há nesse caminho?

Karlos disse...

Alguém sabe onde posso ter o donwload do livro?